Assembleias definem pauta de reivindicações para campanha salarial 2020/21

O SINTRONAC encaminha, nesta quinta-feira (8/10), ao sindicato patronal, as reivindicações da categoria definidas em uma série de assembleias, em Itaboraí, São Gonçalo e Niterói, abrindo, oficialmente, a campanha salarial de 2020, que irá vigorar até 1º de novembro de 2021. Ao mesmo tempo, solicitará ao Ministério Público do Trabalho a marcação de uma data para audiência de conciliação, antecipando a necessidade da participação do órgão mediador no processo, diante do quadro catastrófico do setor de transportes, agravado pela pandemia do Covid-19.

Nesta quarta-feira, na sede social do SINTRONAC, no Sapê, Niterói, ocorreu a última assembleia da série, que definiu a pauta de reivindicações dos rodoviários. Essas propostas receberam 286 votos, em um total de 407 nas três assembleias.

Serão apresentadas aos patrões as seguintes propostas: reajuste salarial de 4%; cesta básica de R$ 320,00, com desconto em folha de 10%; café da manhã nos pontos finais, assim como nos locais de grande circulação de ônibus; manutenção de todas as cláusulas do Acordo Coletivo de 2019, com seus benefícios; manutenção do Acordo Coletivo vigente até que seja renovado; e, caso a situação econômica das empresas inviabilize o reajuste salarial, que este cláusula específica fique suspensa até março de 2021, quando as negociações sobre o reajuste deverão ser retomadas.

 

Rubens: setor rodoviário está enfrentando a crise sem o apoio de nenhum governo

Para o presidente do SINTRONAC, a categoria está mostrando maturidade trabalhista, em um momento crítico para o setor rodoviário.

“Foi o único setor econômico que não recebeu absolutamente nenhum apoio dos governos, tanto federal, quando estadual e municipais. O setor rodoviário está enfrentando a crise sozinho e isso deve fortalecer nossa luta, pois já está claro que o trabalhador rodoviário não depende de político nenhum para lutar por ele”, analisa Rubens.

As assembleias também definiram os nomes que irão compor a Comissão de Negociação Salarial, que são: Ronan Borges Gouveia, da Miramar; Renato da Costa Sobrinho, da Mauá; Félix Gomes Corrêa, da Rio Ita; Robson Farias da Silva, da Rio Ita; e Antônio Ouverney, aposentado.